terça-feira, 23 de agosto de 2016

09 ANOS DE SAUDADE - ANA CLÁUDIA CARON 








Te encontrarei nas estrelas;
Te encontrarei em algum lugar
E vamos matar a saudade
De uma espera que vai se acabar.

Nesta estrada sigo a caminhada,
Um tempo a mais que você, vou andar
Mas, vou colhendo perfumes na estrada
Pra quando a gente  se reencontrar.

Então vamos viver novamente
Tudo que ficou para trás
Num mundo bem diferente
Onde somente reina a paz.


(Ataíde Lemos)

domingo, 6 de setembro de 2015

HOJE SERIA SEU 27º ANIVERSÁRIO AQUI CONOSCO


Hoje o céu está em festa!! Pois uma pessoa especial faria aniversário aqui na terra, completaria 27 anos, mas Deus resolveu que a festa seria lá ao lado dele, Imagina se não!!
Ana Cláudia era feliz, e lá, do lado de lá espero que continue sendo, aliás muito feliz.
Sempre sorridente, amava a vida jamais iria querer passar seu aniversário sem os familiares e amigos. Os que nos precederam estão lá comemorando junto com ela, com certeza.
Hoje não posso lhe dar beijos e abraços como antes. Simplesmente tenho você em meus pensamentos e em minhas orações, beijando sua foto que está comigo. Espero que onde você está tenha sentido o meu beijo minha filha querida.
Na verdade eu queria você aqui pertinho de mim; queria poder cantar parabéns pra você. Mas bem sabemos que não é possível, por isso espero que sempre sinta todo o meu amor e carinho até o dia em que estaremos juntas novamente e para sempre.

Te amo.

sábado, 22 de agosto de 2015

ANA CLÁUDIA CARON - 08 ANOS DE MUITA SAUDADE


Ao longo de alguns dias tenho procurado palavras para expressar o meu amor e minha saudade nesses já oito anos que estamos separadas.
Desde quando nos privaram da tua presença física, minha mente já não funciona tão bem. A formação de textos se perdem ou se fundem em meus pensamentos e não consigo repassar para o papel ou no notebook aquilo que quero escrever. A dor e a tristeza continuam sendo minhas eternas companheiras.
Meus pensamentos no início do dia ao cerrar de meus olhos continuam sendo em você. Não há um só dia que não pense em você filha querida.
Queria poder descrever tudo o que tenho sentido e passado por esses oito anos da nossa separação, mas acredito que do lugar onde você se encontra agora possa ver e saber tudo o que aqui tem acontecido comigo, com teu pai, tua irmã, enfim toda a família e amigos seus. Então procurei em versos, poemas e músicas, trechos que de alguma maneira expressam um pouco do que vivemos e sentimos aqui sem você. (Liane Taborda Caron)

A sua ausência é um estar em mim. (Carlos Drummond de Andrade)

Metade de mim é o que eu grito, mas a outra metade é silêncio.
Metade de mim é partida, mas a outra é saudade.
Metade de mim é o que ouço, mas a outra é o que calo.
Metade de mim é a lembrança do que fui, a outra metade eu não sei.
Metade de mim é abrigo, mas a outra metade é cansaço.
E que a minha loucura seja perdoada, porque metade de mim é amor
E a outra metade... também. (Osvaldo Montenegro)

Saudade é o inferno dos que perderam,
é a dor dos que ficaram para trás,
é o gosto de morte na boca dos que continuam. (Pablo Neruda)

E é por isso que eu tenho mais saudades.
Porque encontrei uma palavra para usar todas as vezes em que sinto este aperto no peito, meio nostálgico, meio gostoso, mas que funciona melhor do que um sinal vital quando se quer falar de vida e de sentimentos.
Ela é a prova inequívoca de que somos sensíveis.
De que amamos muito o que tivemos e lamentamos as coisas boas que perdemos ao longo da nossa existência. (Clarice Lispector)

É nesse momento de saudade, quando penso em você.
Quando tudo está machucando o meu coração e acho que não tenho mais forças para continuar, eis que surge tua doce presença, com o esplendor de um anjo; e me envolvendo como uma suave brisa aconchegante.
Tudo isso acontece porque amo e penso em você. (William Shakespeare)

TE AMAMOS ANA CLÁUDIA. HOJE E SEMPRE.



terça-feira, 7 de outubro de 2014

PRECE DE CÁRITAS


Deus nosso Pai.
Que sois todo poder e bondade.
Dai força àquele que passa pela provação.
Dai luz àquele que procura a verdade,
pondo no coração do homem a compaixão e a caridade.
Dai ao viajor a estrela Guia,
ao aflito a consolação,
ao doente o repouso.
 ao culpado o arrependimento,
ao espírito a verdade,
a criança o guia,
ao órfão o pai.
Que vossa bondade se estenda sobre tudo aquilo que criastes.
Piedade senhor, para aqueles que não vos conhecem.
Esperança para aqueles que sofrem.
Que a Vossa bondade permita aos espíritos consoladores, derramarem por toda parte, a paz, a esperança e a fé.
Deus,
Um raio, uma faísca do vosso amor pode abrasar a Terra.
Deixai-nos beber das fontes dessa bondade fecunda e infinita.
E todas as lágrimas secarão, todas as dores se acalmarão.
Um só coração, um só pensamento subirá até vós.
Como um grito de reconhecimento e de amor.
Como Moisés sobre a montanha nós vos esperamos com os braços abertos.
Oh! Bondade,
 Oh! Beleza,
Oh! Perfeição.
E queremos de alguma sorte merecer a vossa misericórdia.
Deus,
Dai-nos a força de ajudar o progresso a fim de subirmos até vós.
Dai-nos a caridade pura.
Dai-nos a fé e a razão.
Dai-nos a simplicidade que fará de nossas almas
O espelho onde se deve refletir a vossa imagem.

Que assim seja.



Sobre o Espírito Cárita
 Não se pode dizer quem, de fato, foi esse Espírito quando encarnado. Há quem diga, por tradição, que, no passado, esse Espírito tenha sido a figura de Irene, que foi martirizada em Roma no ano 305, quando das perseguições do Imperador Diocleciano. Canonizada por sua religião, veio a ser conhecida como Santa Irene - ela e suas irmãs foram convertidas ao Cristianismo.
Diocleciano determinou perseguição aos cristãos, e ela foi acusada de possuir "livros proibidos" e, por isso mesmo, foi condenada à fogueira, enquanto suas irmãs foram degoladas à sua frente. Como disse, é uma informação desprovida de provas, que se deve considerar apenas e tão somente como especulativa, valendo-se do fato que, na mensagem reproduzida do Espírito Cárita, estar colocado que ele (o Espírito) foi martirizado em Roma.

Sobre a Prece de Cáritas
A prece de Cáritas foi psicografada na noite de Natal, 25 de dezembro, do ano de 1873, ditada pelo Espírito Cárita. A prece de Cáritas não se encontra no livro " O Evangelho Segundo o Espiritismo”, mas ela (a prece) está no livro "Rayonnements la Vie Spirituelle", de autoria da W. Krell , que, além dessa prece, psicografou, ainda, as comunicações: "Como servir a religião espiritual" e  "A esmola espiritual".  Esse livro ainda é editado na Bélgica.

Wallace Leal V. Rodrigues, que foi um dos que traduziram a prece, se valeu da segunda edição do livro referido, editado pela Union Spirite Belga/1949. Nessa edição a palavra é CARRIT. Segundo ele, como em francês ou francês-belga não há duplo erre (RR), o nome correto para o Espírito seria Cárita. Devido ao aportuguesamento desse vocábulo, acabou por ficar Cáritas, como é mais conhecido no Brasil.
Nas traduções de O Evangelho Segundo o Espiritismo manteve-se Cárita.
 A médium, Madame W. Krell, era respeitada em sua época, tida como uma excelente médium, o que nos leva a dar crédito à prece como sendo do mesmo Espírito que ditou as mensagens que se encontram no Evangelho Segundo o Espiritismo.

 Algumas observações
 A palavra caridade é o aportuguesamento da palavra cárita, que, por sua vez deriva da palavra caritates, cujo significado é amor
Por isso encontra-se no texto contido na carta do apóstolo Paulo aos Coríntios as duas traduções: caridade e amor. "Ainda que eu falasse a língua dos homens e dos anjos, se não tivesse amor" ou, em outras traduções, "ainda que eu falasse a língua dos homens e dos anjos se não tivesse caridade”. São duas palavras cujo significado é o mesmo. Por isso caridade não é o ato material, mas o ato revestido de sentimento.
 Em função do significado da palavra Cáritas (aportuguesada) ser amor, esse nome foi utilizado por uma organização católica, de âmbito internacional, chamada Cáritas Internacional, que no Brasil se chama  Cáritas do Brasil", cuja missão é amparar as pessoas necessitadas por meio de educação, instrução e qualificação profissional.
 A primeira instituição Cáritas surgiu na Alemanha, em 1897, e o nome da instituição foi inspirado na afirmação de São Paulo: "Caritas Christus urget nos!" (2Cor 5,14). (traduzindo: “O amor de Cristo nos impulsiona”).

Veja que o nome Cáritas foi utilizado pelo Espírito e também por um órgão religioso católico, creio que ambos inspirados no significado da palavra, que é AMOR.
Com esse significado, ou seja, amor, uma das mensagens do Espírito Cárita, contida no Evangelho Segundo o Espiritismo, no capítulo XII, item 13, toma uma feição mais carinhosa, meiga e, ao mesmo tempo, de profundo significado para a beneficência.

(Texto Explicativo extraído do Site: Amigo Espírita – publicado em 27/02/2012)


segunda-feira, 22 de setembro de 2014

FUNERAL BLUES (SEM TRADUÇÃO; TAMBÉM CONHECIDA COMO: “ STOP ALL DE CLOCKS” – PARE TODOS OS RELÓGIOS) DE WYSTAN HUGH AUDEN




Pare todos os relógios, corte o telefone,
Impeça o cão de latir com um osso suculento,
Silencie os pianos e com tambor abafado,
Tragam o caixão, deixe os enlutados que venham.

Que os aviões circulem lamentando por cima das cabeças,
Rabiscando no céu a mensagem “Ele está Morto”,
Coloquem laços de crepe em volta dos pescoços brancos das pombas públicas,
Que os policiais de trânsito usem luvas pretas de algodão.

Ele era o meu Norte, meu Sul, meu Leste e Oeste,
Minha semana de trabalho e meu domingo de descanso,
Meu meio-dia, minha meia-noite, minha fala, minha canção.
Eu pensei que esse amor duraria para sempre. Eu estava errado.

As estrelas já não são necessárias; coloque fora todas elas.
Empacotem a lua e desmantelem o sol.
Despeje longe o oceano e varram a floresta;
Pois nada agora jamais poderá ser bom.


Recebi esse poema de uma amiga na dor do luto no mês passado logo após ter completado 07 anos do falecimento da minha filha Ana Cláudia.
Ela se chama Fátima Gonçalves Vianna. Conhecemos-nos em Maio de 2010 quando fomos até Uberaba no intuito de recebermos uma psicografia. Eu de minha filha e ela de seu amado filho Lucas. Encontramo-nos durante o café da manhã no mesmo hotel onde estávamos hospedadas. Contamos um pouco da nossa história e ela da dela. Trocamos os números de telefone e endereço de e-mail para correspondermo-nos. E desde aquela data temos feito isso. As vezes são longas as datas entre um e-mail e outro, entre um telefonema e outro, mas estamos sempre em sintonia de pensamentos e quando a lembrança chama atenção lá vem uma mensagem, um vídeo para assistir, um telefonema. E com esse poema não foi diferente.
Demorei um pouquinho para publicá-lo porque os meses de agosto e setembro são muito difíceis de ultrapassar com as lembranças que nos marcaram.
Na realidade peguei o texto original em inglês e o traduzi do meu ponto de vista. O que ela me passou tem uma tradução um pouco diferente mas que no final relata exatamente o significado de todos os sentimentos que tivemos e continuamos tendo verbalizados e transcritos em palavras. Também procurei saber um pouco mais sobre a vida do autor do poema, e que segue:

Wystan Hugh Auden - nascido em 21 de fevereiro de 1907, falecido em 29 de setembro de 1973 - Foi um poeta anglo-americano. Nascido na Inglaterra e mais tarde tornou-se cidadão americano.
É considerado por muitos críticos como um dos maiores escritores do século 20. Seu trabalho ficou conhecido pela sua realização estilística e técnica, tendo como compromisso as questões morais e políticas e sua variedade de tom, forma e conteúdo. Os temas centrais de sua poesia são: o amor, a política e a cidadania, religião e moral, bem como a relação entre os seres humanos únicos e anônimos.
A primeira, e menos conhecida, versão do poema, escrito e publicado em 1936, tem cinco estrofes; a versão final de 1938 tem quatro. Apenas as duas primeiras estrofes são as mesmas em ambas as versões.
Agora o texto em inglês:

Stop all de clocks, cut off  the telephone,
Prevent the dog from barking with a juicy bone,
Silence the pianos and with muffled drum,
Bring out the coffin, let the mourners come.

Let airplanes circle moaning overhead,
Scribbling on the sky the message “He is Dead”.
Put crepe bows round the white necks of the public doves,
Let the traffic policemen wear black cotton gloves.

He was my North, my South, my East and West,
My working week and my Sunday rest,
My noon, my midnight, my talk, my song.
I thought that love would last for ever. I was wrong.

The stars are not wanted now; put out every one.
Pack up the moon and dismantle the sun.
Pour away the ocean and sweep up the wood.
For nothing now can ever come to any good.







domingo, 31 de agosto de 2014

UMA PRECE ÁRABE


A exato um mês recebi um comentário em uma das minhas postagens de um anônimo. Neste, me solicitava a postagem de um dos textos com o título "Uma Prece". Existem vários textos com esse título, mas o que eu acredito que mais se encaixa ao comentário é esse intitulado acima. E que segue:




Deus, não consintas que eu seja o carrasco que sangra as ovelhas, nem uma ovelha nas mãos dos algozes.
Ajuda-me a dizer sempre a verdade na presença dos fortes, e jamais dizer mentiras para ganhar os aplausos dos fracos.
Meu Deus, se me deres a fortuna, não me tires a felicidade; se me deres a força, não me tires a sensatez; se me for dado prosperar, não permita que eu perca a modéstia, conservando apenas o orgulho da dignidade.
Ajuda-me a apreciar o outro lado das coisas, para não acusar meus adversários com mais severidade do que a mim mesmo.
Não me deixes ser atingido pela ilusão da glória, quando bem sucedido, e nem pelo desespero, quando derrotado. Lembra-me que a experiência de uma queda poderá proporcionar uma visão diferente do mundo.
Ó Deus!
Faze-me sentir que o perdão demonstra força, e que a vingança é prova de fraqueza.
Se me tirares a fortuna, deixe-me a esperança.
Se me faltar à saúde, conforta-me com a graça da fé.
E quando me ferir a ingratidão e a incompreensão dos meus semelhantes, cria em minha alma a força da desculpa e do perdão.
Finalmente Senhor, se eu Te esquecer,  Te rogo que nunca Te esqueças de mim.

(Traduzida por Seme Draibe)

*Agradeço à você anônimo por me ajudar a continuar nessa batalha da vida. Caso não seja esta oração que querias ler, aguardo seu novo comentário e postarei mais as que tenho aqui comigo. Um abraço carinhoso.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

ANA CLÁUDIA CARON - 07 ANOS DE SAUDADE




AUSÊNCIA E SAUDADE
Tenho suportado sua ausência minha filha como quem estando viva, já morreu.
Suporto em silêncio essa pesada cruz da tua ausência.
É também saudade que maltrata, que machuca, que dói sem se saber direito onde.
E que chega de repente, sem avisar.
É a sua ausência com um doer contínuo e latejante, ferida profunda que ninguém vê.
É sangue que escorre por dentro.
É um turbilhão de sentimentos que se misturam.
É um pensar constante nesse vazio que ficou em meu coração.
Sem você meu mundo ficou sem cor.
Não consigo sonhar, não reconheço mais o brilho das estrelas e da lua, as cores do arco-íris, o calor do sol. Eterno inverno em meu coração.
Ahhh...minha filha. Que vazio é esse que em mim ficou.
Sua ausência me faz falida de alegria e esperança.
Minha alma está perturbada e abatida.
Saudade e lembranças foram tudo o que me restou.
Quanto seria eu feliz com você aqui do meu lado.
Quando a noite começa e o relógio se apressa para repousarmos me vejo beijando sua foto e lhe dando boa noite indo de encontro com aquele teu sorriso e aquele teu olhar.
Desejo em todas essas noites em sonho poder te encontrar. E quem me dera se em um desses sonhos nunca mais despertar.
TE AMO MINHA FILHA. TE AMO ANA CLÁUDIA.
HOJE E SEMPRE.
ETERNAMENTE.